31.5.06

Timor-Leste: textos importantes

Textos actualizados em Povos*Lusofonia.

Fotografias de Timor-Leste

Obrigadu Barak
(amigos que não perdem o sorriso)
Um amigo, irmão, timorense, que está refugiado no Obrigadu Barak, conseguiu enviar-me esta e outras fotografias, onde tenho de destacar a capacidade de continuar a sorrir de quem já voltou a a perder a casa, as coisas pessoais, e passa por esta onda de violência, medo, fome e sede. Estou convosco meus irmãos!

Orgulho no Brasil

Dili, Timor-Leste, 29 de maio de 2006.
*Ao. Exmo. Sr. Ministro da Educação do Brasil*
*Dr. Fernando Haddad*
*C/C: Ao. Exmo. Sr. Coordenador de Cooperação Internacional da Capes*
*Dr. Benício Schmidt*
Prezado Senhor,
Vimos, por intermédio desta, manifestar nossa vontade de permanecer em Timor-Leste e apoiarmos a continuidade das funções do Programa deQualificação de Docentes em Língua Portuguesa até novembro de 2006, seminterrupções. Timor-Leste vive neste momento uma situação político-social complexa e consolidação tumultuada das instituições democráticas, tendohavido conflitos armados de natureza militar e civil. Sabemos que taisnotícias têm recebido ampla divulgação no Brasil, inclusive dando margem aexageros. Portanto é necessário manifestar publicamente nossa posição.Entendemos que a Educação é peça fundamental no processo de retomada da paze a participação ininterrupta da Missão Brasileira é de grande importânciapara assegurar a confiança nas atividades estatais e o apoio da CPLP aoTimor-Leste. Recebemos continuamente pedidos de nossas contrapartestimorenses para que nossas atividades não sejam interrompidas e seusresultados comprometidos. Em contato telefônico temos apoio para acontinuidade do Ministro da Educação, Sr. Armindo Maia e do Ministro dosNegócios Estrangeiros, Sr. José Ramos Horta. É importante frisar que a saídade internacionais agrava as tensões internas do país deteriorando relaçõesdiplomáticas e de solidariedade. No entanto, se não houver segurança temostido apoio e orientações da Embaixada e há prontidão. Nossa posição e de quenenhuma medida precipitada ou irreversível seja tomada sem a consulta doGoverno Timorense que agora, compreensivelmente, não se encontra emcondições de responder. Portanto, sendo a nossa vontade concluir os projetosiniciados, e não abandonar o povo timorense nesse instante difícil,solicitamos que em caso de risco se preserve a integridade física dosprofessores brasileiros em lugar seguro ate que a situação se defina e demargem para negociações.Gostaríamos de ressaltar que a situação em momento algum envolveu violênciaou ameaças a estrangeiros. Desde 26 de maio, a presença de forças militaresinternacionais tem levado a uma melhora gradual da situação. Outras missõesinternacionais ligadas a Educação, como é o caso da Cooperação Portuguesa,já manifestaram a intenção de continuar suas atividades sem interrupção.
Sem mais para o momento, agradecemos sua atenção e colocamo-nos a disposição para quaisquer esclarecimentos.
André Rafael dos Santos, André Witter, Diane Cruz Almeida, Ednauria Barbosa Fontes, Edson Luiz de Oliveira, Gisele Xavier Malheiros, Jailson Alves dos Santos, Karen Noemi Indart, Lotte Marianne Pires Renault, Lúcia Inês Veiga, Michelle Caldeira, Raimundo de Santos Castro, Rodrigo Fabiano Souza dos Santos, Rosângela Cruz Ferreira, Rosimeire de Souza Freitas, Sandra Maria Xavier Beiju, Sandra Rodrigues de Sá, Tarcísio Tinoco Botelho, Tatiana Rodrigues Brommonschenken, Vinicius Guilherme Celante, Walter Lúcio Rodrigues de Souza, Wandecy Peres Pinto

Cartas de Díli VII

Ola meus professores,
Só queria informar que neste momento estou refugiar com minha família em UNOTIL (Obrigado barak), estou aqui com Elizabeth e a sua família.
A situação ainda igual mas pouco mais calma.
E já não houve muitos tiros como os dias anteriores. E também já não havia muito casa que foram queimado.
Há algumas grupos desconhecidos que aproveitam roubar as coisas nas casas que não têm os donos.
Neste momento eu e Elizabeth está em local de trabalho mas só ate ao meio dia.
Só este informação que possa mandar para professores.
Beijinhos,
IC

Há com cada um...

Já agora, que sabe este senhor de Timor?

Timor-Leste: textos importantes

Why Australia wants “regime change” in East Timor
By Nick Beams 30 May 2006 in World Socialist Web Site
If one were to believe the official version, the intervention of Australian troops into East Timor is driven by the purest motives. They are there simply to restore peace and stability after the collapse of government authority. But this political fiction has been increasingly exposed by events of the past few days as the power struggle which sparked the crisis comes to the surface.
The Howard government’s intervention has nothing to do with protecting the interests of the East Timorese people. It is aimed at bringing about a “regime change”—the replacement of the government of Prime Minister Mari Alkatiri with an administration more in tune with Australian interests.
It has long been a dictum of foreign policy that there are no permanent allies or alliances, only permanent interests. This is certainly the case in East Timor where one of the chief concerns of the Australian government, supported by the opposition Labor Party, has been to ensure that other powers are not able to exert influence in what is explicitly referred to as “Australia’s own backyard”.
In 1999, the Howard government sent in troops to spearhead the UN military intervention in order to ensure that Australia, rather than the former colonial power, Portugal, exercised the greatest authority in post-independence East Timor and was in the best position to exploit its valuable oil and gas reserves. Nearly seven years on, the essential motivations remain the same.
The underlying conflict with Portugal came into the open last Friday when Prime Minister John Howard asserted during an interview that the crisis in East Timor was due to “poor governance”. This was a clear shot at Alkatiri’s government. It brought an immediate response from Portuguese Foreign Minister Diogo Freitas do Amaral, who criticised Howard’s remarks as “interference in the internal affairs” of East Timor. “We disagree with this kind of declaration by foreign countries,” he said.
But Howard was not deterred. In fact, he decided to say more at the next available opportunity.
In an appearance on the ABC television “Insiders” program on Sunday morning, Howard was asked “how bad” the government of East Timor had been and whether the responsibility rested with Alkatiri.
Howard said he did not want to get into “detailed commentary about the politics of the country” but proceeded to do just that. It was obvious, he said, that the country had not been well governed over the past few years. He said he was not going to retreat from his comments of two days before.
Pressed on longer-term Australian plans—whether there should be an East Timorese equivalent of the situation in the Solomon Islands where Australian officials have taken charge of the finance ministries, as well as the police and prisons —Howard went further.
“Well I don’t rule anything out, but I don’t want to presumptuously declare that that’s going to happen or ought to happen without the matter being discussed with the East Timorese,” he said. “I mean, we have a delicate path to tread here. On the one hand, we want to help; we are the regional power that’s in a position to do so. It’s our responsibility to help, but I want to respect the independence of the East Timorese. But then on the other hand, again, they have to discharge that independence or the responsibilities of that independence more effectively than has been the case over the last few years.”
The “delicate treading” concerns the activities of Australia’s rivals in the region, as indicated by the remarks of the Portuguese foreign minister. So far, the Howard government has been able to counter these pressures because of the backing it has enjoyed from the United States. Just as the Clinton administration backed the 1999 intervention, Secretary of State Condoleezza Rice has made it obvious that the US is fully backing the latest troop deployment. In a telephone conversation with Australian Foreign Minister Alexander Downer she is reported to have asked: “What do you want us to do?”
The immediate focus of regime change is the consultative Council of State meeting presently being held in Dili. This body, convened under President Xanana Gusmao, has the power to sack the Alkatiri government and appoint a so-called “national unity” government until elections due to be held next May.
After a nine-hour meeting yesterday, the council failed to make a decision and further negotiations are being held today. While there was no official announcement, East Timorese foreign minister Jose Ramos-Horta made it plain that, as far as he and Gusmao are concerned, Alkatiri should step down.
Speaking on ABC television, Ramos-Horta said: “What is necessary now is a political resolution of the current political crisis that involves, obviously, primarily the prime minister in a sense that so many people are wanting the prime minister to step down.”
When asked to put his own position, Ramos Horta, declined to comment, saying he was involved in negotiations with both sides.
Within East Timor the campaign to oust Alkatiri, the leader of the ruling party, Fretilin, has been underway for some time. It burst into the open a year ago, following Alkatiri’s decision to make religious education in schools optional rather than compulsory.
This elementary move to separate church and state brought furious denunciations from the Catholic Church. Demonstrations were held calling for the ousting of Alkatiri and for an end to his “extremist government”. In a pastoral note issued in April 2005 the church hierarchy in Dili said the cabinet contained secret “Marxists” who endangered democracy. The government was following policies based on the “Chinese model” and the “retrograde Third World”.
According to a report in Asia Times, the US ambassador to East Timor openly supported the church in its street protests against the government last year, even attending one of the demonstrations in person.
Last January, a leading Fretilin member of the national parliament, Francisco Branco, denounced a prominent priest for waging a campaign to bring down the government. According to Branco, the priest had told churchgoers that a decision to send students to study in Cuba would turn East Timor into a communist country and Fretilin had a plan to kill nuns and priests if it won the next election.
Once the military intervention was launched, the Australian media, taking its cue from the Howard government, stepped up the denunciations of Alkatiri.
In a comment published last Saturday, the Australian foreign editor Greg Sheridan denounced Alkatiri as a “disastrous prime minister” leading the “so-called Mozambique clique of Fretilin ideologues”—a reference to Alkatiri’s long period of exile in another former Portuguese colony during the Indonesian occupation of East Timor.
“The catastrophic decision to make Portuguese the national language of East Timor perfectly illustrates the dogmatism and unreality of Alkatiri’s approach. This decision disenfranchised young East Timorese who speak Tetun, Indonesia or English. It entrenched the clique of ageing, dogmatic Marxist-Leninists within Fretilin and exacerbated every division within East Timorese society. And it does nothing to help East Timor earn a living in the international community.”
Alkatiri and his supporters are neither “Marxists” nor “communists”. Nor are the Howard government and its mouthpieces in the media concerned about the government’s policies toward the people of East Timor. Their opposition to Alkatiri centres on the fact that his faction has sought to win support from other major powers, principally Portugal, and increasingly in the recent period, China, as a counter-weight to the pressure of Australian imperialism.
Alkatiri, in particular, raised the ire of Canberra during the protracted negotiations over the exploitation of the oil and gas reserves when he denounced the Australian government for its bullying tactics.
After four years of intransigence from Howard and Downer, the Dili government was last year forced to agree to delay the final settlement of the maritime border between the two countries for 50 to 60 years. Under international boundary law—which Australia has refused to recognise—East Timor is entitled to most of the oil and gas revenues. But Canberra finally succeeded in having Dili drop its claim of sovereignty over key resource-rich areas of the Timor Sea for two generations; by which time the main oil and gas fields will be commercially exhausted.
If Alkatiri were regarded as an Australian ally in East Timor, rather than as an obstacle, then the attitude of the Howard government, and, correspondingly, commentary in the mass media, would have been quite different.
For a start, the so-called dissident soldiers, whose rebellion sparked the crisis, would not have been portrayed as having legitimate grievances. Instead, the government’s decision to sack them after they went on strike would have been supported. Rather than Australian military commanders holding discussions with the “rebels,” they would have been denounced for organising a mutiny, taking the law into their own hands, and creating the conditions for “terrorism”. Their campaign for the ousting of the Alkatiri government, however, dovetails with Australian interests.
Those interests centre on securing Australia’s position in a region where great power conflicts are increasing. As a comment in yesterday’s Australian Financial Review noted, the emerging rivalry between Japan and China is extending into the Pacific, posing a “real challenge for a government that is always claiming to be on such good terms with Tokyo and Beijing”.
Pointing to the long-standing economic issues that have always motivated Australian foreign policy in this region, the comment continued: “It’s worth remembering that in 1920, Australian strategic planners were worried about Japan trying to get its hands on the rumoured oil resources of Portuguese Timor, but in 1975 there were fears that China would manipulate a leftish independent Timor for territorial advantage.”
Now that the existence of oil and gas resources had been clearly established, the rivalry between Japan and China for energy would pose increasing challenges for Australia, the comment noted.
One of the ways of meeting these challenges is to ensure that a “reliable” regime is in place in Dili. This is a major factor underlying the power struggle now being played out in the East Timorese capital.

See Also:

Timor-Leste: textos importantes

Na secção Povos*Lusofonia serão permanentemente publicados textos com informação atempada relativa a Timor-Leste e aos últimos acontecimentos.

30.5.06

Timor-Leste: textos importantes

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
DECLARAÇÃO PRESIDENCIAL
MEDIDAS DE EMERGÊNCIA PARA ULTRAPASSAR A CRISE
Ouvido o Conselho de Estado, como órgão consultivo, reunido nos dias 29 e 30 de Maio de2006, no Palácio Presidencial, nos termos dos artigos 90 e 91 da Constituição da República emconformidade com o disposto na Lei n.º 2 de 2005, e considerando:
• A perda de vidas, a perturbação generalizada da ordem pública que perversamente estáa afectar a segurança, os bens e a tranquilidade dos cidadãos, torna urgente promovermedidas adequadas à reposição da autoridade pública em todo o território;
• A necessidade de criar condições para o rápido regresso à normalidade a fim desalvaguardar a ordem constitucional democrática;
• A necessidade de providenciar urgente apoio humanitário às populações carenciadas;
• A grave deterioração da operacionalidade das forças armadas e das forças de segurançanacionais;
• A necessidade de assegurar que a actuação, no território nacional, das forçasinternacionais de defesa e segurança, solicitada pelos Órgãos de Soberania aos Paísesamigos, cumpra os seus objectivos sem prejuízo do respeito pela ordem jurídica vigentee das atribuições constitucionais das autoridades soberanas do País;
• As funções e competências Constitucionais do Presidente da República como garanteda unidade do Estado, da independência nacional e do regular funcionamento dasinstituições democráticas, nos termos do número 1 do artigo 74º da Constituição daRepública;
• A urgência de garantir o exercício efectivo das competências inerentes às funções deComandante Supremo das Forças Armadas do Presidente da República, nos termos donúmero 2 do artigo 74º e da alínea b) do artigo 85º da Constituição:O Presidente da República, em colaboração estreita e articulação permanente com o Primeiro-Ministro e o Presidente do Parlamento Nacional, anuncia que está a providenciar as medidasnecessárias para prevenir a violência e evitar mais mortos, para o rápido restabelecimento daordem pública e do normal funcionamento das instituições democráticas, assumindo aresponsabilidade principal nas áreas da defesa e segurança nacionais, na qualidade deComandante Supremo das Forças Armadas.
Este quadro de colaboração e articulação reforçada envolve as seguintes entidades:
• Os Ministérios da Defesa e do Interior com as entidades e serviços deles dependentes;
• Os Comandos das Falintil-FDTL e da PNTL, nos termos dos Decretos-Lei n.º 7 e n.º 8 de 2004;
• Os serviços de informação e segurança do Estado e o Gabinete de Crise, nadependência do Primeiro-Ministro, nos termos da Lei n.º 8 de 2003 e do Decreto Lein.º 7 de 2004.
• As Forças Internacionais de Defesa e Segurança presentes no Território Nacional porsolicitação dos Órgãos de Soberania;Além disso, aguarda-se que o Parlamento Nacional, no mais curto prazo possível, reuna parase debruçar e acompanhar a situação de crise actual.
Neste sentido, apela para que as pessoas que detenham ilegalmente, armas de fogo, munições, explosivos, armas brancas ou qualquer equipamento militar as entreguem, voluntária eprontamente, às autoridades, designadamente às forças internacionais.
Todos devem colaborar prontamente com a aplicação das medidas de segurança em curso, designadamente:
a) Agrupamentos de pessoas que por seu número e natureza possam representar ameaça àordem pública;
b) Exigência da identificação de qualquer pessoa que se encontre ou circule em lugar públicoou sujeito à vigilância policial;
c) Vigilância de pessoas, edifícios e estabelecimentos por período de tempo determinado; e
d) Apreensão de armas, munições e explosivos.
As medidas de emergência anunciadas não prejudicam que o Presidente da República venha a declarar o Estado de Sítio em conformidade com os preceitos constitucionais devidos, designadamente, a necessária autorização prévia do Parlamento Nacional.
As medidas anunciadas entram imediatamente em vigor e são válidas por um prazo de trinta dias, prorrogável se necessário.
Dili, 30 de Maio de 2006 via Timor Online

TImor-Leste: textos importantes

Xanana assume defesa e segurança e anuncia medidas emergência
Díli, 30 Mai (Lusa) - O presidente de Timor-Leste, Xanana Gusmão, anunc iou hoje ter assumido a "responsabilidade principal" pelas áreas da defesa e seg urança e anunciou um conjunto de "medidas de emergência" para pôr termo à violên cia no país.Numa declaração sem direito a perguntas após dois dias de reunião do Co nselho de Estado, Xanana Gusmão admitiu ainda a possibilidade de vir a decretar o estado de sítio em Timor-Leste, "em conformidade com os preceitos constitucion ais devidos, designadamente a necessária autorização prévia do Parlamento Nacional".As medidas de emergência anunciadas por Xanana Gusmão incluem a "entreg a voluntária e imediata de armas de fogo, munições, explosivos, armas brancas ou qualquer equipamento militar às autoridades, designadamente às forças internacionais".EL.

TImor-Leste: textos importantes

PR vai ser principal responsável pela segurança e defesa
Díli, 30 Mai (Lusa) - O presidente da República de Timor- Leste, Xanana Gusmão, vai ser o principal responsável pela segurança e defesa do país por um período de 30 dias, prorrogável, disse à Lusa uma fonte que participou na reunião do Conselho de Estado.A decisão foi aprovada hoje pelo Conselho de Estado, reunido desde segunda-feira, e prevê "mecanismos de coordenação entre o Presidente da República e o primeiro-ministro nas áreas de defesa e segurança", precisou a fonte que pediu anonimato."A decisão tem uma validade de 30 dias, é de cariz excepcional e pode ser prorrogada se necessário. O Presidente será o responsável principal, mas não único pela segurança e defesa de Timor-Leste", afirmou a fonte no final da reunião."O PR, em colaboração e coordenação com o primeiro-ministro e presidente do Parlamento Nacional vai tomar medidas para pacificar a situação. Mas tudo o que é da competência do governo, é o governo que vai executar", afirmou.A fonte referiu que a decisão de hoje não refere especificamente mudanças no executivo do primeiro-ministro Mari Alkatiri, que podem ocorrer, mas serão tomadas no Conselho de Ministros.A questão do afastamento de alguns ministros, nomeadamente Roque Rodrigues, da Defesa Nacional, e Rogério Lobato, da Administração Interna, "foi discutida na reunião", confirmou a fonte.
ASP.Lusa/Fim

TImor-Leste: textos importantes

Díli, 30 Mai (Lusa) - A GNR é a única força policial que pode impedir que o caos continue em Timor-Leste, disse hoje à Lusa o tenente-coronel Filomeno Paixão, oficial de ligação entre as Forças Armadas timorenses e os militares australianos."É urgente e necessário que a GNR venha depressa. Ouvi dizer que vinham sexta-feira, mas receio que então já não haja casas para queimar e pessoas para matar", afirmou Filomeno Paixão.Defensor de uma actuação "firme e decidida" para enfrentar "este tipo de vandalismo", o tenente-coronel Filomeno Paixão reconheceu que a polícia timorense "ficou destruída" na sequência da crise político-institucional que afecta o país."Nada podemos esperar da nossa polícia, que foi destruída a 75 por cento", acrescentou.As autoridades timorenses solicitaram a Portugal o envio de uma companhia (120 militares) da GNR para Timor-Leste para manter a ordem pública, após confrontos em Díli nas últimas semanas que provocaram vários mortos e de uma onda de pilhagem e destruição de habitações e edifícios públicos.O ministro de Estado e da Administração Interna português, António Costa, garantiu segunda-feira que os 120 elementos da GNR que vão para Timor-Leste já estão "em estado de prontidão" e partirão ainda esta semana se existir transporte aéreo disponível.

TImor-Leste: textos importantes

Ministros da Defesa e Interior saem, Xanana assume segurança
Díli, 30 Mai (Lusa) - Os ministros da Defesa e do Interior do Governo timorense vão ser exonerados dos cargos e o Presidente da República assumirá o controlo completo nas áreas da defesa e segurança, disseram à Lusa fontes do Conselho de Estado.Segundo as mesmas fontes, que pediram o anonimato, esta decisão é o resultado dos dois dias de reunião do Conselho de Estado, órgão consultivo do Presidente da República, convocado para debater a crise político-militar no país.Roque Rodrigues e Rogério Lobato, os actuais ministros da Defesa e da Administração Interna, têm sido duramente criticados nas últimas semanas pela sua actuação na crise com as forças de segurança de Timor-Leste, que se agudizou com o desmembramento da Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) e divisões nas Falintil-Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL).O anúncio formal do que ficou acordado na reunião do Conselho de Estado vai ser feito ainda hoje em conferência de imprensa a realizar no Palácio das Cinzas, sede da Presidência.EL.Lusa/Fim

Timor-Leste: textos importantes

Sobre as declarações do Bispo D. Basílio, Manuel Leiria de Almeida:
Sr. Bispo de Baucau, minhas Senhoras e meus Senhores!...
Todos sabemos, desde há muito tempo, que é esta a opinião de VEXA e da Igreja Católica de Timor Leste. O problema é que para além de dizer isto VEXA não diz qual a alternativa. Se a tem, porque não diz? Ou acha que a sua função é apenas de dizer que o caminho está errado e que o pastor não sabe onde estão as melhores pastagens?
O Sr. Bispo, que através da Diocese é o principal empresário de Baucau, já resolveu o problema do desemprego lá? Ou, sequer, encontrou o início do caminho para o resolver?
Mais: acha que é fazendo manifestações como a organizada pela Igreja em Dili há um ano atrás que se dá confiança aos investidores para investirem e melhorarem a situação quanto ao emprego?
Qual a sua solução em relação ao desemprego? É a "solução indonésia", de "inchar" o aparelho de Estado para dar emprego a toda a gente mesmo que seja para fazer coisa nenhuma?
O problema, meu caro Bispo, é que Timor É pobre e não tem a capacidade para, no curto-médio prazo, dar trabalho a toda a gente.
O problema é que, nomeadamente devido à posição da Igreja, a população cresce a uma taxa exorbitante e dificilmente haverá crescimento que consiga melhorar, realmente, a situação económica e social da generalidade da população.
Eu sei que havia alguns caminhos alternativos para a política económica prosseguida mas não consigo garantir que eles fossem capazes de, só por si, melhorar significativamente a situação económica e social do país. Aliás, acha que o apoio que os doadores têm dado a Timor Leste seria possível se não vissem alguma qualidade nas opções tomadas? Mesmo que elas não sejam as melhores do mundo?
Atirar pedras é fácil quando não se tem de tomar decisões. Mas se sabe criticar e dizer que não é este o caminho, então tem também a obrigação de dar sugestões exequíveis sobre o que fazer.
E já agora: quando o próximo governo começar a sentir as mesmas dificuldades que este tem sentido para melhorar a situação --- porque não tenha dúvida que as vai sentir... --- o que é que o Sr Bispo vai fazer? "Botar abaixo" o novo governo porque isto e porque aquilo?
Convença-se de uma coisa (e convença o seu "rebanho"): é um erro crasso pensar que a independência ía trazer a prosperidade para todos num ápice". Ou quer que, como foi indirectamente proposto no Congresso do CNRT em 2000, o problema se resolva distribuindo, porta sim, porta sim, o dinheiro do petróleo?Resumindo e concluindo: venham de lá essas propostas concretas. Ou então faça como na velha frase dita nos casamentos: quem tiver alguma coisa contra diga agora ou cale-se para sempre! Seria de uma grande ajuda!

Timor-Leste: textos importantes

"Incha, rebenta, desincha e depois passa!..."
O meu melhor amigo timorense ensinou-me muitas vezes que aquilo que aos nossos olhos "malais" parece nem sempre (quase nunca...) é.

De facto, diz ele, a dramaticidade própria que colocam nas coisas faz com que quando parece que o mundo vai explodir, acabam por encontrar, com muita conversa pelo meio --- táctica característica de sociedades sem escrita própria e em que a palavra é tudo ---, um ponto de encontro em que todos ficam satisfeitos por, nomeadamente, lhes permitir salvar a face e não dar a ideia de que há um perdedor e um ganhador. Todos terão de encontrar uma solução em que todos ganhem qualquer coisa. Essa coisa do "the winner takes it all" não é com eles. (Esta terá sido a regra fundamental de que Mari e a FRETILIN se esqueceram desde o início e cujo 'esquecimento' é provavelmente, como dizia o Duarte Pacheco Pereira, "a madre de todalas cousas"!... O resultado está à vista).
Tudo se passa como num abcesso: face a uma agressão ele incha mas depois desincha e depois passa... A situação nunca voltará a ser como dantes mas todos ficam satisfeitos.Será isto que vai resultar do Conselho de Estado? Com tanta conversa entre os conselheiros, parece que o método tradicional do "a conversar é que a gente se entende" vai, mais uma vez, produzir os seus frutos.Se for, haja Deus!...
Até porque, na realidade, Xanana parece ser a única pessoa em condições de "apanhar os cacos" que restam das forças de segurança. Mas mesmo ele vai precisar de muita cola. E da boa! Daquela que prega cientistas ao tecto!
PS - aposto que se esqueceram de distribuir pastéis de nata na reunião!... Se os tivessem distribuído já tinham acabado o "conversé"...
Manuel Leiria de Almeida in Do Alto do Tatamailau, 26 de Maio de 2006

Timor-Leste: textos importantes

Ainda quanto à proposta abaixo...
... estive a ler a Constituição da RDTL e ela afirma (Artº 105º) que é o Primeiro-Ministro que preside às reuniões do Conselho de Ministros. O que significa que o PR pode ser convidado a participar mas não poderá presidir. And so what?!...A participação permitir-lhe-á fazer passar melhor as suas ideias e debatê-las com o Governo mas ao não presidir fica claro que ele não será responsável pelas medidas efectivamente adoptadas, que serão da exclusiva responsabilidade do Governo. É justo... Cada macaco no seu galho! :-)
Manuel Leiria de Almeida in Do Alto do Tatamailau, 28 de Maio de 2006

Timor-Leste: textos importantes

Uma proposta...
... para o futuro: a Constituição da República Portuguesa prevê que o Presidente da República possa, eventualmente, presidir a reuniões do Conselho de Ministros. Isso já aconteceu entre nós.Não sei se isto está previsto na Constituição da RDTL mas se não for "legal" ilegal também não há-de ser... E o que é "a-legal" pode-se fazer... Porque é que Mari Alkatiri não convida o Presidente Xanana para, regularmente --- uma vez por trimestre? -- presidir a reuniões do Conselho de Ministros? Talvez muitos dos "desencontros" entre ambos tivessem sido evitados... Não sei mesmo se não seria bom que isto fosse aplicado não só JÁ como também durante o próximo mês, até a situação estar mais normalizada.Ingenuidade minha? Não!
Manuel Leiria de Almeida in Do Alto do Tatamailau, 28 de Maio de 2006

29.5.06

Timor-Leste: textos importantes

«Acho piada ao que andas dizendo...
Os comentários do primeiro ministro australiano sobre a má governação de Timor, vindos por quem é directamente responsável pela morte de cerca de 200 australianos nos atentados de Bali por ter envolvido o país na guerra do Iraque, são uma piada...E provavelmente refere-se também ao facto de, nas negociações sobre o petróleo do Mar de Timor, Timor Leste não ter conseguido mais do que a "mera" passagem de 50% para 90% das receitas de Bayu-Undan e de 18% para 50% das receitas do Greater Sunrise. Boa governação teria sido deixar tudo como estava no tempo da Indonésia, não é Howard?!...»
Manuel Leiria de Almeida in Do Alto do Tatamailau
26 de Maio de 2006

Acham mesmo possível?

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Freitas do Amaral, afirmou hoje que a indicação de retirada dos professores portugueses de Timor-Leste foi dada por alguém da embaixada em Díli, contra a orientação transmitida por Lisboa.
Em declarações à agência Lusa, Freitas do Amaral disse ter conhecimento de que «alguém da embaixada [de Portugal em Díli], que não o embaixador», informou domingo os cerca de 150 professores portugueses de que seriam retirados de Timor-Leste a partir de terça-feira, mas sublinhou que essa não foi a orientação dada ao embaixador João Ramos Pinto.

Grande novidade

Estudo: três em cada quatro universitários copiam
Quase três em cada quatro estudantes universitários portugueses admitem já ter copiado, indica o estudo «Copianço nas universidades o grau zero da qualidade», do sociólogo Ivo Domingues, noticia este domingo o Jornal de Notícias.
(via A Origem das Espécies)
~
O que também se torna evidente é que as pessoas vão percebendo, e não quero desculpar ninguém, que o ensino é mau e não premeia a intelig~encia, mas antes o desenrascanso. Longa conversa, longa conversa.

TImor-Leste: textos importantes

Alexander Downer:
"Se não tivéssemos enviado as tropas para ajudar a controlar a situação, Timor-Leste corria o risco de se tornar num Estado falhado", disse Downer à rádio ABC. "Por isso temos que fazer o necessário - trabalhando com a comunidade internacional e com a ONU - para tentar que Timor-Leste consiga voltar a levantar-se", sublinhou.
in Público
~
Tão amigos que eles são! Fica-se emocionado.

Frases para pensar

“Primeiro eles vieram buscar os comunistas. Não falei nada, porque não era comunista.
Então, eles vieram buscar os judeus. Nada falei, porque não era judeu.
Depois, vieram buscar os operários, membros dos Sindicatos.Nada falei, porque não era operário sindicalizado.
Então eles vieram buscar os católicos e não falei nada, porque sou protestante.
Finalmente, eles vieram me buscar - quando isto aconteceu, não havia restado ninguém para falar”.
Matin Niemoeller, pastor alemão, sacrificado pelos nazistas."
via Timor Online

TImor-Leste: textos importantes

What is Howard's Role in the Timor Leste Coup?
By Tim Anderson

The violence in Dili is hardly an industrial dispute, nor spontaneous ethnic violence. Timor Leste's Prime Minister, Mari Alkatiri, says the armed attacks are part of an attempted coup, and follow a history of destabilisation attempts. It is likely he knows better than the Australian pundits, who have been speaking simply of 'east west' rivalry, and an 'immature' nation, unready for independence.
Such caricatures of the country and the government are misleading and dangerous. There has been destabilisation of the legitimate Fretilin government, ever since independence, and the Howard government has played a part. An important question now is: how much of a part?
A fairly high level of organisation, and confidence, can be seen both in the mobilisation of weapons and the international appeals from thearmy defectors. Heavy weapons were taken, and renegade leader Alfredo Reinado (who joined Gastao Salsinha, leader of the sacked soldiers)says he welcomes the arrival Australian troops, and wants to 'have aVB' with the aussies.
Such familiarity from a person engaged in murder and mutiny is disturbing. And instead of calling Reinado and his followers 'criminals' or 'terrorists', John Howard has turned on the Alkatiri Government. As the troops roll in Howard says "The country has not been well governed .. the real challenge is to get a government that has the confidence of the local people".
Coup plotters rarely act without assurances of outside support, or at the least post-coup recognition. A US guarantee of regime recognition was central to the Chilean coup of 1973, and the abortive 2002 coup in Venezuela. More recently in Haiti, even though the US had no credible alternative candidate, they fomented violence to remove a popular leftist leader.
Media backing is essential for a coup. Paul Kelly from The Australian (which has waged a long campaign against the Fretilin government) questions whether the democratically elected PM of the country "has a long-term role here as part of the solution". Some diplomats are reported as saying that the resignation of Alkatiri "may convince the warring gangs to lay down their arms".
On this argument, PM Alkatiri only "survived" the recent Fretilin elections, where he faced a possible challenge from a Washington-based diplomat. In fact, Alkatiri won more than 90%support in the party vote, and Fretilin retains almost 60% support across the country.
While the internal rivalry between Prime Minister Alkatiri and President Xanana Gusmao has received a lot of attention, less has been said about international tensions and destabilisation, which has followed several disputes. The dispute over oil and gas is well known. Mari Alkatiri had the support of all parties in driving a hard line with the Howard government. Many believe the Timorese were still robbed by a deal Howard continues to call 'generous'. Less well known are the disputes over agriculture, where Australia and the World Bank refused to help rehabilitate and build the Timorese rice industry, and refused to support use of aid money for grain silos. Under Alkatiri, the Timorese have reduced their rice import-dependence from two-thirds to one-third of domestic consumption.
After independence an expensive phone service run by Telstra was replaced by a government joint venture with a Portuguese company. And following a popular campaign, Timor Leste remains one of the few 'debt free' poor countries. Alkatiri's consideration here, as economic manager, was to retain some control over the country's budget, and the building of public institutions.
In 2005 there was a Church led dispute over the apparent relegation of religious education to 'voluntary' status in schools. The dispute was resolved, but not before it had become the focus of an open campaign to remove Alkatiri, who was branded a 'communist'. During this dispute some East Timorese were alarmed to see that the USEmbassy (and possibly also the Australians) providing material support (such as portable toilets) to the demonstrators, effectively backing an opposition movement.
Over 2004-06 the Alkatiri government secured the services dozens of Cuban doctors, and several hundred young Timorese students are now in Cuba, studying medicine free of charge. No one criticises this valuable assistance, but the US does all it can to undermine Cuban policy.It is worth remembering that the suggested 'communist' politics of Fretilin in 1975 was a major reason for US support for the Indonesian invasion and occupation. Australia followed suit. Today the 'communist' tag is again used by Reinado to target the Fretilin government.
Reinado rejects government orders, but has allied himself to Xanana and Jose Ramos Horta, the two non-Fretilin members of the government. (Ramos Horta is known to be close to the Bush administration.) It is not clear yet to what extent Xanana and Ramos Horta have links to Reinado. Alkatiri has not, contrary to media reports, accused the President of complicity. Yet the coup attempt proceeds in Xanana's name.
The current situation is complicated by the arming of civilian groups on both sides of the coup plot, and the fact that troops from several countries have been invited. Of these, the Portuguese seem to maintain strongest support for the Timorese government, while the Australians seem to be apologising for the plotters.
A possible 'junta' to be installed by Australian intervention (already hinted at by Kirsty Sword Gusmao) could include nominees of the Catholic bishops, Ramos Horta and an ailing Xanana (ill with kidney disease). The forced removal of Mari Alkatiri, his ministers and army chief Taur Matan Ruak, and the presence of occupying troops till next year's election might seriously undermine Fretilin's dominant position. But then again, the coup might fail.
Occupying armies are bad news for democracy. The Australian government comes to its most recent intervention in Timor Leste literally 'blooded' from its spectacularly unsuccessful interventions in Afghanistan, Iraq and the Solomons.
The current intervention may be necessary, if it has been legitimately called for by the East Timorese government; but it is also a great danger for the country's democracy. Australian people, who strongly supported independence for the people of Timor Leste, should watch Howard's latest intervention very closely.
Tim Anderson is an academic who has visited Timor Leste severaltimes, both before and after independence.
--
Dr. Bob Boughton
Senior Lecturer Adult Education & Training
School of Professional Development and Leadership
University of New England
Armidale NSW 2351, Australia via Timor Online

Visão admiravelmente desfasada

Como é possível alguém escrever isto, e logo no DN?!
Dava para rir, não fosse a situação tão dramática!
«Uma terrível caricatura do conflito timorense foi a entrevista que Kirsty Sword-Gusmão deu à rádio australiana ABC. Kirsty é a mulher de Xanana Gusmão e, até ver, não tem legitimidade institucional de espécie alguma. No entanto, Kirsty, alcandorada a uma espécie de porta-voz autorizada do Presidente da República, praticamente demitiu Mari Alkatiri aos microfones da rádio australiana. A cisão entre o Presidente da República e o primeiro-ministro timorenses fica clara das palavras da timorense-australiana Kirsty Sword-Gusmão: "Penso que vamos assistir a mudanças significativas. Acho que o Governo perdeu a confiança da população." À hora em que este jornal sai para a rua, é provável que Mari Alkatiri já não seja primeiro-ministro de Timor-Leste. Se, tal como afirmou Kirsty, Xanana Gusmão "continua claramente a ser uma figura de autoridade e as pessoas esperam que ele exerça a sua autoridade neste momento decisivo", o passo seguinte no desenrolar do conflito será a entrega da cabeça de Alkatiri. Os últimos dias em Timor-Leste vieram fazer disparar, da maneira mais violenta, o mal-estar no país mais jovem do mundo. Há tensões e clivagens que vêm de longe, dos tempos da Resistência. Xanana Gusmão versus Alkatiri, Ramos-Horta versus Alkatiri, católicos contra laicos (ou, pior, muçulmanos laicos como Alkatiri). Houve até agora um milagre timorense: desde 1999, o país foi-se construindo em relativa acalmia - consideradas as divisões internas da Resistência, os conflitos entre timorenses registados em 1975, a presumível dificuldade de reconciliação entre quadros da antiga administração indonésia e resistentes, a adopção da língua portuguesa só conhecida por maiores de 40 anos (a única língua que unifica todos os habitantes de Timor-Leste nem sequer é o tétum, mas o bahasa indonésio), a coexistência entre um país fortemente dominado pela Igreja Católica e um primeiro-ministro laico e muçulmano, a mais absoluta pobreza em que vive o povo, o analfabetismo, a falta de elites e, entretanto, o progressivo abandono das Nações Unidas.Perante o caos instalado, quatro países, incluindo Portugal, voltam a entrar em Timor-Leste para "repor a ordem". O terrível desta imagem é que foi esse precisamente o argumento da invasão indonésia em 1975, aliás operada também com a cumplicidade de timorenses. É, agora como antes, a viabilidade do Estado que está em causa.»
Ana Sá Lopes in DN

Militares portugueses para Timor

Era importante que Portugal percebese o que está em causa e enviasse um corpo militar para Timor-Leste! Os timorenses agradecem, porque é agora que precisam de verdadeiros amigos.

28.5.06

Cartas de Díli VI (msn)

Irmão,
queimaram a nossa casa, queimaram tudo. Estamos refugiados nas Canossianas de Balide e não temos comida nem água nem nada. Cada um desenrasca como pode. É muito triste. Pessoas bandidas aproveitam situação política para roubar, queimar. Reza por nós.

Carta de Díli V

Caro irmão,

Como está? Espero que estejas em boa saúde. Por aqui estou bem de saúde, mas a situação em Díli muito horrível. Esta cidade quase vazia e parece vai ter uma guerra amanha. Estamos a esperar de intervenção das forças internacionais.
Em cidade Díli agora está a ser controlada pelas forças da F-FDTL. O nosso ouvido agora cheios com os sons de tiros.
Tenho de passar esta noite no meu escritório, porque não consegui voltar a casa. Não confio com a segurança.
Espero que amanha a situação vai melhorar.
D. a 24/05/2006

As East Timor burns

By Loro Horta in Asia Times
As Australian, Portuguese and Malaysian commandos land in East Timor to quell the island nation's spiraling violence, questions loom large about the actual motivation behind the military and police mutiny that led to the unrest and how best to salvage the country's tumultuous experiment with independence.

Ressentimento, Cultura e Poder em Timor-Leste: os catalizadores da crise.

Kelly Cristiane da Silva e Daniel Schroeter Simião (via Rosely Forganes in Crocodilo Voador)


Timor-Leste passa, desde o último mês, pela maior crise política desde a restauração de sua independência, em maio de 2002. Polícia e Forças Armadas locais estão em conflito aberto. Civis armados tomam as ruas de Dili, atirando a queima-roupa e incendiando casas. Desesperada, a população pede abrigo em igrejas ou busca segurança em suas sagradas montanhas. Xanana Gusmão, Presidente da República, e Mari Alkatiri, Primeiro-Ministro, disputam autoridade de comando sobre as frágeis forças de defesa do país.
(continue a ler em Povos*Lusofonia)

27.5.06

As declarações de Freitas do Amaral

«(...)
Vamos por partes. John Howard disse aquilo que todos sabemos ser um facto. O próprio Freitas do Amaral não contesta a validade do diagnóstico. Mais. Se verificarmos as declarações de Freitas do Amaral no último ano encontramos inúmeras declarações em que o ministro, tal como a Austrália, comenta assuntos internos de outros países.
Qual foi, então, o objectivo destas declarações? (...)»
Paulo Gorjão in Bloguítica
~
Não vou defender o ministro Freitas do Amaral, que aliás já fez muitas asneiras em matéria de diplomacia e de ingerências, mas não posso concordar com o Paulo, porque a situação em causa é bem diferente das ditas "normais". Há uma clara tentativa de aproveitar os erros da governação timorense por parte dos australianos. O Howard é o primeiro a estar mortinho por fragilizar o governo timorense, e todos sabemos bem porquê: Alkatiri não os deixou levar o que queriam do petróleo, não deixou os timorenses a aprender inglês, enfim, não lhes deu a praia de mão beijada. Ora, no momento que se atravessa, isso é muito mais do que uma ingerência! Pior, tendo o governo timorense pedido a ajuda da Austrália, é, no mínimo, o gesto necrófago do abutre vestido de pomba branca!
Que há erros na governação timorense, isso não contesto, mas nada justifica as manobras nas costas de um governo que foi eleito democraticamente, e por uma grande maioria. Goste-se ou não!
Portugal também tem fechado os olhos a certas coisas quando interessa, ou apenas por displicência, nomeadamente na cooperação e na forma como mantem presença no país. Terá de haver equilíbrio, nomeadamente nas relações com Camberra, mas também não posso aceitar que tenhamos de evitar um clima de desconfiança entre Lisboa e Camberra a qualquer custo. Não sei se os australianos estão assim tão preocupados com isso...
Caro Paulo, as coisas têm contextos!
Nota: Concordo em absoluto que Portugal esteve mal ao retirar a GNR de Timor. E devia mantê-la ao abrigo de um acordo bilateral. Aliás, devia ter uma presença militar se tal fosse requerido pelos timorenses.

Freitas a um bom nível!

Viena, 27 Mai (Lusa) - O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Diogo Freitas do Amaral, acusou hoje o governo australiano de "ingerência nos assuntos internos" de Timor-Leste.
Freitas do Amaral reagia às declarações do primeiro-ministro australiano, John Howard, que apontou a existência de "um problema significativo de governação" em Timor-Leste, afirmando que os confrontos dos últimos dias são "uma lição" para os responsáveis eleitos."Considero uma ingerência nos assuntos internos de Timor-Leste e, pela nossa parte, discordamos desse tipo de declarações por parte de países estrangeiros", afirmou Freitas do Amaral à entrada para a reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, em Viena.
"Há um problema significativo de governação em Timor-Leste", disse sexta-feira John Howard, em declarações à rádio australiana ABC.
"Não vale a pena andarmos a enganar-nos. O país não tem sido bem governado e espero que a experiência, para os que estão em cargos eleitos, de terem a necessidade de pedir ajuda do exterior, induza o comportamento apropriado no país", concluiu o governante australiano.
FPB/TSM.
~
É realamente preciso chamar os bois pelos nomes e este Howard é um bom filho da mãe! Por educação, meus senhores e minhas senhoras, por educação...

Importante declaração de Mari Alkatiri

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE
GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO
DECLARAÇÃO DO PRIMEIRO-MINISTRO
Os militares australianos estão desde ontem a patrulhar o perímetro de segurança. Hoje também os da Malásia. Esta zona de intervenção das forças internacionais definida pelo Governo, em coordenação com o Presidente da República, está a ser operacionalizada pelos comandos das Forças de Defesa de Timor-Leste, australiano e malasiano.
A decisão de solicitar o apoio internacional foi uma medida naturalmente muito ponderada e teve na sua essência a vontade inequívoca do Governo de travar a onda de violência, evitando mais derramamento de sangue.
Obviamente, que em primeiro lugar esperamos que esta intervenção ponha termo à violência que temos vivido nos últimos dias. Isto demorará o seu tempo. Os militares e os polícias estrangeiros acabaram de chegar e começam agora a tentar controlar Díli – uma cidade que ainda não lhes é familiar.
Estou crente, no entanto, que a partir do momento que os timorenses começarem a sentir a presença constante destes homens e mulheres, os níveis de confiança subirão possibilitando um gradual regresso à normalidade, essencial para a preservação quer do Estado de Direito Democrático, quer dos bens e da população em geral.
Grande parte da violência ocorrida na capital de Timor-Leste nas últimas horas, ao contrário do que possa parecer a algumas pessoas e interesses, já não está relacionada com um problema muito grave que se traduziu em confrontos entre as nossas Forças de Defesa e alguns elementos da Polícia, mas trata-se sim de uma violência derivada da acção concertada e oportunista de grupos de marginais, que têm pilhado e queimado casas e haveres, e ameaçado o nosso martirizado povo.
As forças internacionais têm recebido indicações da parte do Governo para porem termo a estes incidentes. Aguardamos que em breve se possa dizer que já controlam a situação, revelando eficácia nas suas acções.
O Governo em momento algum deixou de trabalhar. Ainda esta manhã, sob a minha presidência, reuniu-se o Conselho de Ministros. Fizemos o ponto da situação. E aprovámos decisões importantes para dar eficácia à coordenação das autoridades de Timor-Leste com as forças internacionais.
Acusam-nos agora de não sabermos governar. Contudo, lembro aqui que as políticas delineadas e seguidas pelo Governo de que me orgulho chefiar têm recebido os mais insuspeitos elogios de toda a comunidade internacional. Destaco apenas a título de exemplo o aplauso sincero que o presidente do Banco Mundial, Paul Wolfowitz, no mês passado e que repetiu agora no dia 25, fez às políticas deste Governo, aqui nesta mesma sala. Será que apenas num mês deixámos de ser um caso de exemplar sucesso, passando a ser um caso de manifesta incapacidade? Que fique claro: em todo este processo temos algumas culpas, nomeadamente na dificuldade de resolver atempadamente quaisquer injustiças que eventualmente existam no seio das Forças de Defesa de Timor-Leste. Mas garanto que o Governo saberá sempre assumir as suas responsabilidades. Espero que outros órgãos de soberania o façam também.
Eu, primeiro-ministro de Timor-Leste, mantenho as minhas declarações anteriores. Está em marcha uma tentativa de um golpe de Estado. Contudo, estou confiante que o senhor Presidente da República, com quem tenho mantido contacto, não deixará de respeitar a Constituição da República Democrática de Timor-Leste, que jurou cumprir. E não esquecerá nunca os interesses do povo de Timor-Leste, pelos quais todos lutámos durante 24 anos e milhares de irmãos deram a vida.
Díli, 27 de Maio de 2006
O primeiro-ministro
Mari Alkatiri

26.5.06

Austrália denuncia "problema significativo de governação" em Timor-Leste

~
Inadmissível! (Não estou a dizer que não possa concordar com parte, mas o que não posso admitir é que o 1.º australiano o possa dizer!) E mostra bem as intenções dos Australianos, de 1975 para cá! Portugal foi mais uma vez frouxo, tendo levado tempo de mais a agir. Os nossos militares da GNR já há muito que deviam estar em Timor, porque há muito que o Governo de Timor os havia pedido. Não temos dinheiro? A velha questão... mas a honra e a dignidade internacional de um país e a ajuda a um país irmão (ao seu povo) custa algum dinheiro. E vale mais do que muitas coisas que sorvem a massa...

Timor-Leste

Confrontos em Díli fazem vários mortos in Portugal Diário
É triste! É uma vergonha, é uma miséria! Este povo não merece isto. Agora está instalado o caos e há um terror difícil de sanar, mesmo que se volte a uma parente normalidade, imposta pela presença de estrangeiros. Esta ferida vai permanecer aberta, por mais que se diga o contrário. Deixou-se chegar a este estado de coisas algo que tinha solução bem mais simples, se fosse atempada e houvesse sensibilidade, apenas isso, apenas isso. Podem achar estranho, mas é assim mesmo.
Outra questão relevante tem que ver com esta perigosa afirmação de Angus Houston: «Queremos ser a parte imparcial, alguém em que todos confiam e que é capaz, essencialmente, de estabelecer um ambiente estável», disse, garantindo que as suas tropas permanecerão «neutras». Então, como é que eles foram para Timor? Não foi a convite do Governo? Imparciais? Cuidado com as facilidades que se possam dar a certas facções... este sinal pode ser perigoso. Será que já vem carregado dos sintomas revelados pela últimas afirmações de Howard?
Compreendo que a necessidade neste momento é de quem faça de fiel da balança, e nesse caso considero que devia ser o Presidente da República, mas nunca uma força militar vinda a convite do Governo. Nesse caso, deverão criar as condições de paz (!) para que seja possível a sociedade timorense encontrar, ela própria, saída para a crise, dentro da lei, e não dentro de contextos de imparcialidade. Não se pode ser imparcial com quem está fora da lei, seja de farda, seja sem farda. Os militares timorenses devem regressar ao quartéis, as armas devem ser depostas. Quem continuar a usar da força deverá ser detido. Mas também era importante que o Governo entendesse que as coisas não estão bem! Será que vão continuar com a defesa da tese que se trata de um golpe de estado? E se for? O que quererá isso dizer? Quem são os reponsáveis? Ainda não ouvi falar deles, por mais desconfianças que se lance para o ar.
Cuidado com a cegueira.

Timor-Leste

Em Timor não há guerra étnica, nem essa divisão foi alguma vez, pelo menos que eu notasse, mais do que a costumeira anedota dos Firaku e dos Kaladi. Porém, há quem tenha acesso ao poder e às coisas boas que ele trás, porque esteve ou está ligado à Fretilin, e quem não tenha porque está noutra área política ou não pertence às famílias do círculo de poder, que é também outra forma de estar por dentro. O autismo político do Governo, pelo menos de um determinado núcleo duro, está a dar nisto.

Apesar dos protestos do primeiro-ministro, Xanana Gusmão confirma que assumiu controlo da segurança

25.05.2006 - 16h16 Lusa

O Presidente Xanana Gusmão confirmou ter chamado a si todas as competências na área da segurança, mas rejeitou qualquer conflito com o Governo, depois de o primeiro-ministro, Mari Alkatiri, ter sugerido que a decisão seria inconstitucional.
"O órgão de soberania que tem como definição a responsabilidade da unidade nacional, a integridade dos órgãos democráticos do país e o seu funcionamento é o Presidente da República que também é por definição o comandante supremo das forças de defesa", afirmou um porta-voz de Xanana Gusmão, em declarações à rádio Antena Um."
O Presidente tem por obrigação constitucional tomar esta posição porque a situação do país está cada vez mais deteriorada", afirmou Ágio Pereira que recusou, porém, a ideia de conflito entre Xanana Gusmão e o Governo.
Questionado sobre as próximas iniciativas do Presidente, o porta-voz admitiu que Xanana Gusmão tem em aberto todas as opções, incluindo a declaração do estado de sítio em Timor-Leste.Mari Alkatiri garantiu hoje que mantém as suas competências na área da segurança interna, depois de a presidência timorense ter anunciado que Xanana Gusmão decidiu assumir "todo o controlo da segurança do país".
"Mantenho as minhas competências na área da segurança interna porque a constituição mas confere e só com respeito a bases constitucionais próprias é que se pode retirar", afirmou Alkatiri.Para o chefe do Governo, a Constituição define que o Presidente só pode assumir tais poderes após decretar o estado de sítio no país, em concertação com o Governo e Parlamento.
Por sua vez, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Ramos Horta, considerou que a decisão de Xanana Gusmão "não é incorrecta no plano constitucional, porque o Presidente é o comandante supremo das Forças Armadas".
Ramos Horta afirmou, no entanto, que não vê esta medida presidencial como uma retirada de poderes ao primeiro-ministro.
Timor-Leste vive um clima de insegurança generalizada que levou as autoridades a pedir na quarta-feira ajuda internacional para repor a ordem. Violentos confrontos opuseram hoje elementos das forças armadas e da polícia em Dili. Há pelo menos dez mortos e dezenas de feridos.

Timor-Leste

Falei hoje de manhã com a minha mana X que está aterrorizada e se recorda de 1999. «Agora é pior, porque agora são timorenses contra timorenses e ninguém sabe quem nos pode fazer mal. Tivemos que fugir e mudar de sítio, porque podem procurar-nos. Ontem mataram uma mãe e filhos incendiando a casa em Comoro, de propósito, de propósito os procuraram. Tenho medo maun, tenho muito medo! Por que é que isto está a acontecer?!» Dói, dói muito!

Cartas de Díli IV

FRUSTRAÇÕES
"Hoje não estou particularmente bem disposta.
Os acontecimentos destes últimos dias em Díli não deixam espaço para nenhum vislumbre de boa disposição.
Ainda tenho nos ouvidos o ressoar dos tiros trocados durante a noite e o princípio da manhã.
Partiram-me os vidros do carro. Escapou um vidro! Ouvi o barulho da sala onde estava. Mal foi possível, assim que desapareceram os efeitos do gás lacrimogéneo, vim para a rua. Parecia uma tonta, sem saber o que fazer. Um jovem, numa motorizada, aproximou-se e aconselhou-me a afastar-me daquele lugar, sugestão a que obedeci sem reservas, sentando-me por cima dos vidros partidos.
Não me lembro de sentir medo. Talvez alguma emoção por estar a viver algo de novo, de fazer parte da difícil história do meu país. E, claro que me apercebi da minha pequenez humana.
Dei comigo a pensar que aquilo que eu vira vezes sem conta em imagens da televisão, no tempo da ocupação indonésia, estava a acontecer-me, a mim, que fora sempre e apenas uma observadora privilegiada pela distância e pelo conforto de viver num país em paz! Paz!
Assisti ao "salvamento" do Presidente do Parlamento Nacional e meu colega da turma C da Faculdade de Direito, por polícias, fortemente armados, de metralhadora em punho que, enquanto o diabo esfregava um olho, rodearam e empurraram para fora da sala o estupefacto senhor provavelmente tão surpreso quanto os outros alunos.
Eu até sou uma pessoa optimista quanto ao futuro deste meu país, mas confesso que estou bastante decepcionada com o aproveitamento estúpido de uma crise que não foi resolvida a tempo porque quem de direito ou não se debruçou seriamente sobre as suas razões ou entendeu que o melhor era deixar andar e ver onde paravam as modas; e estas, claro, pararam numa demonstração de violência e vandalismo gratuitos por parte de jovens. Muitos jovens talvez descontentes pela falta de objectivos, certamente desempregados, jovens que passam os dias sentados nos muros do hotel Resende incendiado a 4 de Dezembro de 2002 olhando para o ar, para nada, à espera de uma oportunidade para agir, para chamar a atenção.
Foi o que fizeram ontem, juntamente com os Colimau, um grupo violento e organizado que tomou conta da manifestação dos ex-militares.
Passaram por entre os agentes de uma Polícia, menina bonita e bem tratada, bem alimentada e tão bem equipada que espanta o mais comum dos mortais por que não terá conseguido deter os manifestantes numa zona que, à priori, deveria estar bem guardada, a do Governo e Parlamento Nacional.
Os acontecimentos de ontem põem muita coisa em causa, particularmente a credibilidade deste país junto da comunidade internacional e da capacidade dos seus líderes políticos para resolver bem os milhentos pequenos e grandes problemas que vão surgindo.
Recordo a celeuma criada em volta da restritiva lei sobre as manifestações, que limitava o âmbito territorial em que estas poderiam desenrolar-se a uma distância mínima de 100 metros dos edifícios públicos…
Recordo que ontem mesmo se formou o fórum dos empresários que congrega a fina flor dos empresários privados e que, com o beneplácito do governo, surgiu para captar investidores estrangeiros. Alguém quererá vir investir aqui?
De acordo com a dramática comunicação ao país do Presidente da República via rádio e TV - em que este não poupou críticas ao ministro da Defesa, ao chefe de Estado-maior general das FDTL - o Governo agiu mal, seguiu os seus assessores internacionais. Pormenores importantes para o germinar de um surto xenofóbico!Ainda por cima, todos esperavam que as palavras do Presidente viessem acalmar as hostes!
A situação que se arrastava desde Fevereiro não se afigurou suficientemente grave de forma a que alguns elementos dos órgãos de soberania de Timor-Leste cancelassem as suas visitas aos estrangeiro. Xanana Gusmão esteve fora duas semanas, assistiu à tomada de posse de Cavaco Silva, falou na Comissão de Direitos Humanos; o PM e o MNEC também andaram por fora.
Todos tinham conhecimento desta última manifestação. Não obstante, o ministro da defesa e o brigadeiro-general mantiveram-se no estrangeiro em visita oficial.
Durante uma semana – a exemplo do que aliás acontece sempre que há reuniões, seminários, conferências, palestras ditas importantes em prol da capacitação dos timorenses e do desenvolvimento do país, em que a cidade fica em autêntico estado de sítio e quem quer movimentar-se perde tempo e paciência à procura de um caminho que o leve ao destino – as ruas foram cortadas, os sentidos proibidos alterados, as viaturas revistadas… tudo em nome da segurança, da estabilidade, a bem do povo, do seu futuro, do fim da sua pobreza, do emprego, da educação: tudo pormenores, pétalas de flores imaginárias que compõem o ramalhete da dignidade da pessoa humana.
Quando começaram as movimentações em frente ao Parlamento e à Universidade Nacional, eu estava na sala, atenta à explicação do professor que falava – veja-se a coincidência! – justamente sobre a dignidade da pessoa humana! Sem ser no artigo 1º da Constituição, onde mora ela, a dignidade, aqui em Timor-Leste?
A defesa da dignidade de uns esbarra sempre no atropelo da do vizinho…Restringem-se facilmente os direitos em defesa da dignidade ainda que isso ponha em causa a dignidade de todo um povo. Disso é exemplo a Comissão Verdade e Amizade que tanto tem dividido a sociedade timorense. Porque, se nós não conseguimos sequer arrumar a casa, dentro de portas, aceitarmos e reconciliarmo-nos com as nossas diversas nuances; se fomentamos as divisões entre Lorosae e Loromonu; se nós nem conseguimos levar a bom termo negociações com meia centena de manifestantes nem dissuadi-los da leviandade da sua actuação, temos alguma necessidade de estar já a fabricar uma mal sustentada amizade com a poderosa Indonésia? Perguntam os sobreviventes dos massacres, os familiares dos que morreram "então e, connosco, como é? A amizade vai ser aprofundada em detrimento da nossa dignidade, do nosso sofrimento". A quem serve e para que serve esta amizade?
E depois é a respeitabilidade que todos exigem, a estabilidade da "Nação", em que todos dizem apostar sem directa correspondência na actuação de quem fala em seu nome.Palavras, palavras, palavras que o vento quente leva!
O povo grita, apela na rádio, sempre que lhe dão oportunidade, por paz, implora aos "líderes" que conduzam as coisas de forma a que não haja mais sofrimento.
Díli está vazia. As ruas estão desertas. O Povo, amedrontado, uma vez mais refugiou-se nas igrejas, nas embaixadas, nas montanhas. É preciso uma outra manifestação popular para que se entenda de uma vez por todas que é preciso haver paz para que o país evolua?
Todos saímos a perder. Não saberemos nós viver em paz? Será preciso darmos o ar de que apenas nos portamos bem, dependentes de alguém mais poderoso, de uma entidade externa, logo superior e com receio de uma bota a esmagar-nos?
Gostaria que o governo fosse mais flexível, menos arrogante, mais dialogante, mas também mais firme; que os timorenses se habituassem a viver em paz e gozassem a independência conseguida à custa de tanto sofrimento.
Gostaria que desaparecessem de vez as divisões certamente existentes mas desnecessariamente acarinhadas entre Lorosae e Loromonu.
Somos todos timorenses, porque sendo de Loromonu vivem em Lorosae ou vice-versa, porque os seus antepassados são de uma ou de outra zona do país… E, depois, com esta divisão, onde se situa a zona central de Timor-Leste? E Ataúro, Oécussi e Jaco?
Já houve tempo em que muitos foram contra a soberania portuguesa, já foi tempo em que tudo acontecia por culpa da UDT e da FRETILIN; já passou o tempo da contestação à Indonésia.
Quando ainda mal curadas estão as feridas criadas à volta da fabricada animosidade entre mestiços e naturais puros (haverá alguém que seja puro?), temos, de novo, Lorosae, Loromonu. Um dia, quando isto tiver passado de moda ou se tiver sido resolvido será o bairro do Farol contra o bairro de Colmera, ou de Bidau contra o de Lecidere. Depois será vizinho contra vizinho, irmão contra irmão…
Haverá alguém que esteja interessado nisto para Timor?"
Maria Ângela Carrascalão
Díli, 29 de Abril de 2006 in Torreão Sul

25.5.06

Cartas de Díli III

Queridos meus professores,
Em Timor não estamos bem e estamos todos com medo.
Agora estamos no edifício da TT em Hotel Timor.
Há muitos tiros.
O Deny, Juvito e os outros amigos ainda estão em Caicoli e não sei qual é a condição deles.
Mas acho que muito difícil.
Até já.
Beijinhos para todos.

EARD

Frases nas Paredes da Cidade Imaginária

"Cada dia como se fosse o primeiro"
"Acabei de me desfazer de todos os meus amigos"
(Fotografia de MRR in Torreão Sul. Com a devida autorização, que se agradece)

Fotografias de Aveiro

Céu de Aveiro
(fotografia de Ângelo E. Ferreira. 2006)

ROSTO BELO

Rosto belo e delicado.
Duma beleza rival,
Parece a estrela celeste
Que brilha pelo Natal!

É um dos anjos do céu,
Mas de muita formosura:
Representa obra d'artista
Transformada em escultura.

Ó amor dos meus encantos:
Entra em meu coração;
Preenche todos os cantos;

Desce do céu onde vives
A terra onde peno tanto,
Para enxugares meu pranto!


António Alexandre dos Santos Rodrigues, 5.º Ano in Prelúdio, Gazeta dos Alunos do Liceu de Alexandre Herculano, Ano I, N.º 5, Porto, 31 de Maio de 1953.

ROSAS DE MAIO

Logo que nasceu Jesus,
nasceram rosas nas fragas,
e, na agonia da Cruz,
brotaram rosas das chagas.

Domingos teve o rosário
para converter os incréus,
Teresinha o prémio diário
de espalhar rosas, dos Céus.

Mas as rosas portuguesas
são mais belas entre as belas,
nem rainhas, nem princesas
têm perfume igual ao delas.

Nem essas da Alexandria
tiveram 'virtude igual,
porque as rosas de Maria
são rosas de Portugal.

Rosas que já foram chama,
Como os fogos de santelmo;
rosas do Nuno e do Gama,
na cruz, na vela e no elmo..

Rosas deixadas nas messes
e nos muros dos caminhos;
rosas que já foram preces
na boca dos pastorinhos.

Rosas da fonte que chora,
rosas da azenha que canta;
rosas que foram outrora
o pão da Rainha Santa,

Que elas sejam sempre a abada
do regaço de Maria;
nesta vida amargurada,
nosso pão de cada dia...


Delfim Oliveira, 2.º ano in Prelúdio, Gazeta dos Alunos do Liceu de Alexandre Herculano, Ano I, N.º 5, Porto, 31 de Maio de 1953.

Carta do Porto para Díli

O meu coração está constrangido e a minha mente revoltada.
Porquê Timor?
As forças internacionais são precisas é certo, para corrigir os efeitos! Mas as causas só os timorenses podem resolver. Mais concretamente, os dirigentes políticos e os militares descontentes. Não basta já o que aconteceu em África? Será que os tumultuosos processos de independência em África e as guerras civis não deram já exemplo suficiente?
Timorenses, há que aprender com as lições de outros povos. Vocês são um povo que têm tudo para prosperar, para nos dar lições de dignidade, força e inteligência. Sejam grandes na alma, não pequenos como na geografia.
Marta Chantal (via caixa de comentários)

Timor-Leste: Xanana Gusmão retirou ao governo as competências na área da segurança

25.05.2006 - 08h59 Lusa

O Presidente da República de Timor-Leste, Xanana Gusmão, anunciou hoje a decisão de retirar todas as competências na área da segurança ao governo liderado pelo primeiro-ministro Mari Alkatiri, revelou o gabinete da presidência à Lusa.
"O Presidente da República, na qualidade de chefe de Estado e de comandante supremo das forças armadas, chamou a si todo o controlo da segurança do país", explicou a mesma fonte.
A decisão é "consequência de consideração profunda sobre a deterioração da situação de segurança no país", acrescentou o gabinete da presidência, referindo que esta informação foi já enviada ao corpo diplomático acreditado em Díli.
O Presidente da República fez esta declaração a partir da sua residência em Balibar.O primeiro-ministro não comenta a decisão de Xanana Gusmão.

Agustina Bessa-Luís em Aveiro

A vida, a literatura, o mundo...
Agustina Bessa-Luís em Aveiro, dia 7 de Junho, pelas 21h30
Agustina Bessa-Luís vem a Aveiro para participar de mais uma conversa do Fórum UniverSal, organizado pelo Centro Universitário Fé e Cultura (CUFC). A conversa decorrerá nas instalaçoes do CUFC, mesmo em frente do Departamento de Electrónica e Telecomunicações da Universidade de Aveiro. Não falte!

Cartas de Díli II

Caro irmão,

Como está? Espero que estejas em boa saúde. Por aqui estou bem de saúde, mas a situação em Díli é muito horrível. Esta cidade está quase vazia e parece que vai ter uma guerra amanhã. Estamos a esperar a intervenção das forças internacionais.
A cidade de Díli agora está a ser controlada pelas forças da F-FDTL. O nosso ouvido agora está cheio com os sons de tiros.
Tenho de passar esta noite no meu escritório, porque não consegui voltar a casa. Não confio com a segurança.
Espero que amanha a situação vai melhorar.

24.5.06

Uma Rua para o Zeca

Há uma campanha a decorrer para se atribuir o nome de Zeca Afonso a uma rua de Santiago de Compostela. Fica a ligação para quem quiser assinar ou subscrever:
Para mim, que vivo em Aveiro, é triste é ver a quantidade de pessoas da terra que fizeram e fazem coisas maravilhosas (escritores, músicos, em todas as áreas profissionais, pessoas dedicadas aos outros) e são perfeitamente esquecidas. Não queria que fossem lembradas em cerimónias vaidosas, inócuas e a cheirar a mofo e nafetalina, não. Queria que fossem cultura, memória, honra, orgulho e incentivo aos mais jovens. Falta memória a este país!
Em Aveiro, o Zeca, como outros de que me lembro agora que são de cá ou por cá fizeram coisas boas, como o Prof. Agostinho da Silva e o Fernando Pessa (que em tempos, um ano antes de morrer, ajudei a tornar sócio honorário da Associação Académica, o que ele adorou), estão esquecidos -- é triste!

Cartas de Díli

Carta de Díli recebida hoje, de um amigo timorense:
Estamos a enfrentar mais uma nova situação, exactamente como disse, que houve tiroteios em Becora/Fatuahi. Nesta zona já a partir do domingo dia 21/5 encontravam-se jovens e gentes desconhecidas que apedrejavam as viaturas que circulavam em vai-vem Díli- Baucau e Baucau-Díli.
Na segunda-feira de manhã, as F-FDTL que se preparavam para montar um posto de vigilância em Becora foram disparadas pelas forças rebeldes comandadas pelo ex. major Alfredo. Este confronto resultou na morte de um militar e seis feridos entre os efectivos das forças armadas e da polícia, um dos quais em estado grave. Neste momento as F-FDTL e a polícia estão em perseguição ao grupo liderado pelo major Alfredo nos arredores de Díli até a zona de Aileu.
Apesar disto a situação em Díli está calma. A população nalgumas zonas decidiu abandonar Díli mas a maior parte decidiu permanecer. As instituições do Estado, as Embaixadas continuam a funcionar normalmente.
É mais ou menos esta a nossa situação.
Um fortíssimo abraço.
AG

Luandino Vieira rejeita Prémio Camões

E agora? Como fica o prémio zarolho? (com as minhas desculpas ao Camões, que não tem culpa nenhuma) Andavam aí tão agitados com a atribuição, que agora é que têm matéria para conversa.

23.5.06

Não é fácil ser-se... Camelo!


Em tempos, uma alma caridosa resolveu endereçar-me uma certa fotografia por e-mail. Nada mais normal...

Acontece que esta fotografia trouxe-me à memória algumas personagens que, de tão ignóbil e insignificante existência, sempre me causaram indisposição e algum desarranjo intestinal...

A imagem em causa foi captada algures nos céus africanos. Podemos observar alguns Camelos a passearem-se pelas escaldantes areias do deserto... Contudo, o que esta imagem nos mostra poder-nos-à iludir. Isto porque a representação a negro dos ditos seres não é mais do que a projecção da sua própria sombra... na realidade os animais são as pequenas manchas mais claras na sua base.



Fantástica fotografia!

Isto vem a propósito de eu próprio conhecer alguns "dromedários" que, ao se colocarem diante da luz dos holofotes daqueles que, sabe-se lá bem porquê, lhes dão guarida, querem ser mais do que realmente são... projectando e aumentando a sua sombra, iludindo os mais distraídos. Vai-se depois a ver e não passam de umas pequeninas formiguinhas de peito feito!

Não havia necessidade...

Prós e Contras

O debate de hoje foi uma vergonha, não pelo programa em si, de que aliás não sou grande fã, mas sobretudo pela forma habitualmente petulante e enraivecida, de um ódio mal disfarçado com o que não lhe dá jeito, com que Carrilho dispara em todas as direcções.
A maneira como acaba o debate é lamentável. Carrilho acusa Ricardo Costa de ser precisamente o rosto daquilo que está mal no jornalismo em Portugal, portanto, lendo o livro e escutando o que disse até então sobre essa tenebrosa conspiração contra ele nas eleições de Lisboa, Ricardo Costa é parte desse mundo obscuro da comunicação social.
O que é também igualmente fantástico é que ficou a parecer que Emídio Rangel descobriu a pólvora depois de ter sido director de bombistas. Num discurso quase infanto-juvenil, pela amável ingenuidade do seu passado e voluntarista, mas inócua, disponibilidade para mudar, de repente -- e ainda por cima a partir do livro de Carrilho --, o mundo do jornalismo em Portugal, Rangel disse banalidades que qualquer comentador de sofá sabe, mas sem contribuir em nada para a seriedade do debate. Desde logo pela insustentável defesa de que o livro de Carrilho é um contributo para um debate sobre as questões éticas na profissão -- não o é. Não o pode ser pela forma como generaliza e lança suspeitas que, pelo menos a avaliar pelo que disse no programa, não passam de birras de uma criança que brinca com o fogo mas depois não gosta quando uma brasa que atirou para o ar lhe cai nas mãos, voltando a atirá-la para o ar, voltando a cair-lhe nas mãos e, pelo vistos, sem nada aprender, a não ser amuar e bater com o pé no chão irritado com o mundo. Basta olhar ao exemplo do não aperto de mão a Carmona, baseado na indignação e, dias mais tarde, ao aperto de mão claramente encenado com sorrisos para as câmaras de televisão, procurando remediar uma atitude lamentável e apenas isso. Não vale a pena dar voltas e voltas, não se pode usar e abusar de uma linguagem assassina -- eu nem admito que possa ser políticamente assassina, é apenas assassina --, por exemplo, chamando, entre outras coisas, "gelatina política" aos seus adversários, ou fazer aquilo que Ricardo Costa sublinhou referindo a publicação de entrevistas alteradas (eu diria aldrabadas) e depois repudiar a mesma lama que nos cai sobre os olhos. A utilização da mulher na campanha, outro dos exemplos que Carrilho frisou como tendo tido tratamento diferenciado, não foi apenas a utilização da mulher na campanha, foi muito mais do que isso, foi a utilização da Bárbara Guimarães na campanha. Não se pode ser ingénuo e Carrilho não o é. As agências de comunicação não o são, certamente. Ora, o que fizeram foi uma má leitura da oportunidade ou não do trunfo que jogavam e isso, o facto de se tratar da Bárbara Guimarães, com o seu capital mediático, muito ligado à sua suposta beleza (gostos são gostos), por razões que se prendem com a própria personalidade mediática de Carrilho (vaidoso, arrogante, convencido), não se tornou vantagem, antes pelo contrário -- foi mais do mesmo!
Ricardo Costa prestou um responsável serviço à clarificação das coisas. Não fugiu aos erros e aos problemas que possam existir no jornalismo em Portugal, mas não generalizou acusações -- e ele saberá igualmente de muitas tentativas ilícitas de influenciar jornalistas por parte de políticos. Podia ter sacudido a água para cima dos capotes alheios -- não o fez, e bem. Não é assim que se chega lá.
Pacheco Pereira esteve bem, procurando sistematizar, sublinhando o evidente: são vários os políticos prejudicados e não apenas Carrilho, porque o problema é mais complexo; não queria fugir ao livro, porque o livro é realmente um mau contributo para a discussão e preconiza precisamente aquilo que critica, lançando suspeitas para o ar de forma infundada, fazendo suposições, procurando, lá no fundo, nada mais do que reabilitar Manuel Maria Carrilho o Perdedor. Este último, abusando até de alguma amabilidade de JPP quando a ele se referia, uma vez que não se retratava na análise do professor Pacheco Pereira, ainda deixou no ar subtis insinuações, que só não entende quem não quer: «eu não sou nenhum professor de aviário, tenho um currículo». Para quem estaria ele a falar? Houve mais, mas não vale a pena.
Os lisboetas não terão sido estúpidos e não terão votado no outro candidato por causa da conspiração montada -- afirmá-lo é ridículo e um mau serviço à democracia. Não estou a dizer que as ideias de Carrilho eram piores do que as de Carmona ou que Carmona é melhor político do que Carrilho -- não interessa para o caso. Há um enorme conjunto de factos que desaguam no resultado de uma votação, e mesmo os mais fúteis são bem conhecidos de um guerrilheiro político experimentado como é MMC, pelo que não se pode escudar no papel de dama ofendida. Não fica bem é estar de simpatias com jornalistas quando eles nos foram favoráveis e ganhámos e depois dizer deles o pior quando eles são mais favoráveis aos outros nas suas coberturas. A democracia, sabendo bem dos males que por aí vão, e que devem ser tratados de outra forma, mais desapaixonada e menos localizada num tempo, não pode ser apenas boa quando se ganha.

"Do andar das senhoras"

"É tudo!
Poucas, muito poucas senhoras sabem andar. Andar não é querer unicamente dizer avançar ou recuar; significa também e principalmente o mover-se com graça e atender a certa lei de harmonia que não se pode bem explicar.
Antes dizia-se "saber pisar" ou "pisar bem" ou "ter bonito piso"; hoje diz-se simplesmente saber ou não saber andar. Não havendo uma só senhora que não seja coquette, parece que todas deveriam saber andar! Pois não é isso que acontece!
A elegância tem dois polos, duas nascentes, duas origens. Em todas as mulheres se encontra a elegancia inata, e a elegancia que se aprende. No bom acordo de ambas consiste essa espécie de ideal que é a transfiguração do sexo. Quando a elegancia artificial, excede e absorve a elegancia inata, a mulher sacrifica mais do que deve à vaidade e às fantasias da imaginação, e desce em vez de subir.
Uma senhora aprende a dançar, mas não aprende a andar. O mestre de dança não entende disso; ha-de aprontar discipulas que figurem com distinção em diversas quadrilhas e em várias polkas, mas que hão-de atravessar burguezmente, prosaicamente, gêbamente, uma galeria inundada de luz e povoada de olhares de curiosidade, se porventura o saber andar não for condição de sua graça natural.
Andar bem, andar mal, são as duas grandes divisões para o vulgo. Ao fisiologista basta um exame rapido para distinguir pelo pisar a mulher trivial da mulher fina, sem atender ao vestuário nem à posição. De capote e lenço que ela vá! Pois olhem que já é ir: de capote e lenço!
O sossego da consciência, a serenidade da alma, reconhecem-se na regularidade dos passos; a pressa ou o vagar não alteram nada ao caso. Ambas as elegâncias se confundem numa, reservada, contida, pudica. Para adivinhar a mulher que se esconde, cumpre observá-la só, entregue a si mesma. Os pés vão-lhes como os pensamentos, tic tic, caprichosos, arrebatados, indolentes, vaporosos, timidos ou decididos como ela.
A mulher que tem remorsos anda por cima de brasas. Sobressaltam-se-lhe os pés e sofrem como a sua alma!
A mulher que vai com o fito numa esperança, não anda, vôa; os pés impacientes têm asas!
A mulher que deixa a felicidade atrás de si tem o pé pesado como o coração; avança como quem quer recuar!
A mulher de mau génio anda nos caleches e de perna rija como a indole.
A mulher meiga e terna anda em passo cadenciado e os pés roçam apenas o chão.
A mulher infiel...
Esta reservo eu por prudencia e por caridade.
Em todo o caso, a melhor de todas é a que pisa bem."



Júlio Cesar Machado, in n.º 1 da 5.ª série da Revista Semanal Litteraria e Charadistica "O Recreio", Lisboa 13 de Fevereiro de 1888